"Afinal os Dinossáurios também iam à Praia"


Os alunos do 9º ano no IX Congresso Cientistas em Ação

 

Numa saída de campo realizada em plenas férias da Páscoaà jazida da pedreira da Ladeira (concelho de Porto de Mós), para observar eanalisar a grande diversidade e excelente preservação de muitos invertebradosmarinhos, estes alunos acabaram por descobrir pegadas de dinossáurios. Estaspegadas, quase todas atribuíveis a bípedes herbívoros, mostram animaisdeslocando-se dentro de água, com quase 1,5m de altura., tocando nos fundoslodosos apenas com as pontas dos dedos – são mesmo conhecidas como «pegadas denatação» - “AFINAL OS DINOSSÁURIOS TAMBÉM IAM À PRAIA”.

   

Afinalos dinossáurios também iam à praia

Tomás Alvim, SofiaCruz, Carlos Marques

Grupo dePaleontologia, Agrupamento Escolas Paço de Arcos - 9º ano

 


O registo fóssil encontrado em Portugal tem-se reveladosignificativo e diversificado. Particularmente, o registo deixado por vertebradosMesozóicos tem sido referido como de grande importância para o conhecimentoe  compreensão de comportamentos eevolução de diversos tipos de dinossáurios. Muito importante, perante aescassez a nível  mundial, é o registoconhecido para o Jurássico médio, um intervalo de tempo em que o número dejazidas é muito escasso.

Mas, no nosso País, jazidas fossilíferas excepcionalmentenotáveis, quer pela diversidade, quer pela qualidade da preservação –geralmente conhecidas por Lagerstatten («locais para descansar em paz») -  são desconhecidas. Muitos destes depósitossedimentares exibem fósseis extraordinários com preservação excepcional,incluindo por vezes a preservação dos tecidos moles dos organismos. Tudo isto apropósito da descoberta em Dezembro de 2013, salientada por vários órgãos decomunicação social, de uma nova jazida do Jurássico médio – a pedreira daLadeira (170 e os 166 milhões de anos). Nesta pedreira desativada, em plenoMaciço Calcário Estremenho, a grande variedade e abundância  de organismos marinhos fossilizados é muitoimportante: três grupos de equinodermes: equinoides (ouriços-do-mar),asteroides (estrelas-do-mar), crinoides (lírios-do-mar), peixes, bivalves,crustáceos,… ., pelo que ficou conhecida como «praia Jurássica». Também é derealçar a preservação destes organismos, muitas vezes conservados como molde econtramolde, com uma qualidade espectacular – articulados, ocorrendo comoelementos do seu esqueleto preservados insitu e com detalhes fantásticos. Em Março passado, aproveitando as fériasda Páscoa, deslocámo-nos a esta pedreira, de difícil localização. Embora possa não ser incluída numa Laggerstatte,os investigadores irão encontrar motivos e argumentos para justificar aexcepcional preservação dos invertebrados e vertebrados marinhos ali encontrada(eventualmente o enterramento de carcaças dos organismos num ambiente anóxicocom uma quantidade mínima de bactérias ou uma crise local que possa ter retardadoa decomposição aeróbica e aumentado as oportunidades para um acontecimento demortalidade em massa e de permineralização). A grande maioria dos Lagerstattenreconhecidos inclui ou restos diretos dos organismos – somatofósseis - ouvestígios das suas actividades – icnofósseis. Aqui, na pedreira da Ladeira,descobrimos também a presença de pegadas de dinossáurios num dos estratos,provavelmente deixadas numa altura de emersão e em que a coluna de água nãoultrapassaria 1,5 m, com  os animaisdeslocando-se apoiando no fundo apenas as pontas dos dedos, numa posição em queestariam quase a boiar. Estas amostras, hoje já relativamente abundantes noregisto fóssil mundial, são conhecidas por «pegadas de natação». Identificámosestas pegadas de natação como deixadas por dinossáurios bípedes, provavelmentedo grupo dos ornitópodes, e ainda um número reduzido de pegadas de mãos desaurópodes.


O Grupo de Paleontologia